TRANSVIDA - MG DEPOIMENTO DO PRESIDENTE ADM 2016/2018








NOTICIAS


http://www.euassumi.com.br/


HC realiza IV Caminhada pelos Transplantes 
2013

CAMINHANTES


ENCONTRO 
DOS PACIENTES TRANSPLANTADOS E EM FILA DE ESPERA 


LOCAL: Parque Municipal de Belo Horizonte MG
Entrada Pela Alameda Ezequiel Dias, 300 (em frente ao Hemominas)
Data : SABADO  
Horário: 8:00 as 11:00 hs 
ESPERAMOS VOCÊ E SEUS FAMILIARES

Esta é a história de Liz, uma menininha que sofria de uma terrível e rara doença.




Esta é a história de Liz, uma menininha que sofria de uma terrível e rara doença.
A única chance de recuperação para ela parecia ser através de uma transfusão de sangue do seu irmão mais velho de apenas 5 anos que, milagrosamente, tinha sobrevivido à mesma doença e parecia ter, então, desenvolvido anticorpos necessários para combatê-la.
O médico explicou toda a situação para o menino e perguntou, então, se ele aceitava doar o sangue dele para a irmã.
Ele hesitou um pouco, mas, depois de uma profunda respiração disse:
- Tá certo, eu topo.. Se é para salvá-la...
À medida que a transfusão ia progredindo, ele, que estava deitado na cama ao lado da cama da irmã, sorria, juntamente com seus pais, ao ver as bochechas dela voltarem a ter cor.
De repente, o sorriso dele desapareceu e o garotinho empalideceu... Olhou para o médico e perguntou com a voz trêmula:
- Eu vou começar a morrer logo?
O menino tinha interpretado mal as palavras do médico, e pensou que teria que dar todo o sangue dele para salvar a irmã!
Amor não se explica... se vive!

APRESENTAÇÃO


Transplante pela vida em Minas Gerais -TRANSVIDA MG - É uma entidade civil de direito privado, de natureza associativa, sem fins lucrativos, beneficente e de assistência social, sem distinção de nacionalidade, credo ou raça, com sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil; integrada por pessoas receptora de órgãos e tecidos, pré e pós transplantadas, seus familiares, profissionais de saúde e voluntários, a qual tem a finalidades: Criar condições para a melhoria dos procedimentos que envolvem os transplantados de órgão e tecidos do corpo humano, promovendo encontros entre pacientes, familiares e profissionais de saúde; Proporcionar apoio material, medicamentos e hospedagem para pacientes e acompanhantes que necessitem; criar grupos de apoio para as actividades sociais, lúdicas, lazer e auto-ajuda e outros.

DIRETORIA


DIRETORIA 2016/2018


  • DIRETORIA EXECUTIVA
  • PRESIDENTE:
  • Adolpho von Randow Neto - Rua João das Chagas nº 383 / 503 União CEP 31170370 Belo Horizonte MG Fone (31) 34868040 cel (31) 99350613 avrandow@oi.com.br
  • VICE-PRESIDENTE:
  • Valdir Sampaio - Rua Domiciano Ferreira s/n CEP 39827-000 Poté MG Fone (33) 88726288
  • 1º SECRETARIO:
  • Dilermando Paulino Filho - Rua Jorge Beltrão, 123 - Jardim Petrópolis.CEP 32553-330 Betim MG Fone 96689904 c.t.vida@hc.ufmg.br
  • 2º SECRETARIO:
  • Zenildes Ferreira do Nascimento - Rua Jatoba nº 3485 CEP 39920-000 Jordania-MG Fone (33) 97382677
  • 1° TESOUREIRO:
  • Osnei Costa Galvão - Rua Marcos Coelho Neto n° 179 Havai CEP 30570-650 Belo Horizonte MG Fone 3374 -7270 osneicg@gmail.com
  • 2º TESOUREIRO:
  • Eliane Carvalho - Rua Cananéia, 183 Caiçara.CEP 30770-120 Belo Horizonte MGFone 34620367
  • CONSELHO ADMINISTRATIVO
  • Rozane Fagundes Carvalho – CoordenadoraRua Cananéia, 183 Caiçara.CEP 30770-120 Belo Horizonte MG Fone 3462-0367
  • Carlos Antonio Massena - Rua Pirapora, 63 Santa Efigenia30770-120 Belo Horizonte MG Fone 3481-3434
  • João Walter Moreira - Rua Alísio Lobão Veras, 213 Serrano.Belo Horizonte MG Fone 3473-5016
  • Renaldo Pereira dos Santos - Rua Messias Floriano Borges, 80 Pirajá.CEP 31910-680 Belo Horizonte MG Fone 3432-8719
  • Braz Vieira Dias - Rua Jose Toledo de Oliveira, 111 São Gabriel.31980-540 Belo Horizonte MG Fone 3493-9808
  • Mariângela de Oliveira Santo - Rua Aspásia, 100 apt 203 Monsenhor Messias.CEP 30720-570 Belo Horizonte MG Fone 3464-3574
  • Eldy Lisboa Santos, Rua Itajubá, 1462 apt 202.CEP 31030-430 Belo Horizonte MG Fone 2467-5674
  • Regina Célia Mendonça da Silva - Rua Célio de Castro, 600 apt 604 Floresta.31110-000 Belo Horizonte MG 3409-9490 TX – HC/UFMG
  • Marta Siqueira Varela - Rua Betania, 41 Centro.CEP 33350-000 São Jose da Lapa MG Fone: 3623-1317 * 9911-1713
  • CONSELHO FISCAL
  • TITULARES:
  • Gilberto de Assis Dias - Rua Gilson Bretãs, 302 Dona Clara.CEP 31810-175 Belo Horizonte MG Fone 9994-4559
  • Osvaldo de Araújo Rocha - Rua Geraldo de Castro Braga, 41 Minas caixa.31610-490 Belo Horizonte MG Fone 9909-5849 / 8734-7750
  • SUPLENTES:
  • Magna Maria Vieira - Rua Pelicano, 190 Flavio Marques Lisboa.CEP 30624-230 Belo Horizonte MG Fone 8656-7107
  • Osvaldo Costa Galvão - Rua Marcos Coelho Neto, 179 Havaí.CEP 30570-610 Belo Horizonte MG Fone 3334-7270
  • Elizangela Veloso Rezende - Rua Álvares Maciel, 604 Santa EfigêniaCEP 30150 Belo Horizonte MG Fone 8851-8218

PARTICIPAÇÃO EVENTOS

CAMINHANTES





I caminhada dos transplantados do HC/ UFMG - Pç da Liberdade Belo Horizonte aos dia 30 de outubro de 2010.
--------------------------------------------------------------------------------------------

Tomou posse na última quinta-feira, 12 de agosto 2010, a nova gestão do Conselho Municipal de Saúde. São 72 conselheiros de saúde, que representam usuários do SUS, trabalhadores da saúde e gestores. Aproximadamente cem pessoas participaram da solenidade de posse. Titular Adolpho von Randow Neto e suplente Rubens Ribeiro Leite, representação USU port Doen. Cronicas - Transvida / Diabeticos.






MENSAGEM











video




NOTICIAS

Transplantes

O Brasil possui hoje um dos maiores programas públicos de transplantes de órgãos e tecidos do mundo. Com 548 estabelecimentos de saúde e 1.376 equipes médicas autorizados a realizar transplantes, o Sistema Nacional de Transplantes está presente em 25 estados do país, por meio das Centrais Estaduais de Transplantes.

Para ser um doador, não é necessário fazer nenhum documento por escrito. Basta que a sua família esteja ciente da sua vontade. Assim, quando for constatada a morte encefálica do paciente, uma ou mais partes do corpo que estiverem em condições de serem aproveitadas poderão ajudar a salvar as vidas de outras pessoas. Lembre-se que alguns órgãos podem ser doados em vida. São eles: parte do fígado, um dos rins e parte da medula óssea.


A política Nacional de Transplantes

A política Nacional de Transplantes de órgãos e tecidos está fundamentada na Legislação (Lei nº 9.434/1997 e Lei nº 10.211/2001), tendo como diretrizes a gratuidade da doação, a beneficência em relação aos receptores e não maleficência em relação aos doadores vivos. Estabelece também garantias e direitos aos pacientes que necessitam destes procedimentos e regula toda a rede assistencial através de autorizações e reautorizações de funcionamento de equipes e instituições. Toda a política de transplante está em sintonia com as Leis nº 8.080/1990 e nº 8.142/1990, que regem o funcionamento do SUS. Consulta Pública (Portaria GM 2.040) O Ministério da Saúde, considerando que o Processo Doação/Transplantes é uma prioridade desse governo, propõe a consulta pública do documento "Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes que Regula as Atividades Técnicas e Operacionais de Captação, Distribuição e Transplantes de Órgãos, Partes e Tecidos"

Seja um doador

O passo principal para você se tornar um doador é conversar com a sua família e deixar bem claro o seu desejo de ser doador. Não é necessário deixar nada por escrito. A doação de órgãos pode ocorrer a partir do momento da constatação da morte encefálica. Em alguns casos, a doação em vida também pode ser realizada, em caso de parentesco até 4ºgrau ou com autorização judicial (não parentes)

.-x-
No Brasil, nos ultimas décadas, desenvolveu-se uma notável capacidade técnica para várias modalidades de transplante. No entanto, o aprimoramento tecnológico convive com questões de natureza sociocultural, ético e legal que se refletem na falta de disponibilidade de órgão para transplante. A escassez de órgão doados é atribuído tanto a desinformação da população quanto aos problemas estruturais do sistema de saúde no processo de captação de órgão. “Na extensa literatura de doação de órgão, aparecem questões que poderíamos dizer “universais”: a negativa da família em consentir na doação de órgão é citado como principal entrave na efetivação de transplante.” os componentes dos familiares estão condicionados a questões culturais e psicológicas. O bem orientado a respeito do conceito de morte encefálica é de finalidade humanística de doar. O sucesso da captação de órgão depende das habilidades comunicativas; do órgão governamental, dos profissionais de saúde, das associações e das comunidades ao relacionarem-se com os familiares de doadores. Irmãos um simples gesto pode salvar a vida de uma ou mais pessoas.

NOTICIAS -2

INFORME:

PROPOSTA DE AÇÃO LEGISLATIVA Nº 635/2008
PROPONENTE: Adolpho Von Randow Neto
ENTIDADE: Transplantes pela Vida em Minas Gerais
PROGRAMA: 107
AÇÃO: 4440
PROPOSTA:
Alteração de finalidade da ação para acrescentar, no final, a seguinte expressão: bem como criar centros de referência e casas de apoio aos transplantados.
- À Comissão de Participação Popular.

LEI Nº 18.286, DE 21 DE JULHO DE 2009.



Declara de utilidade pública a entidade Transplantes pela Vida em Minas Gerais - Transvida-MG, com sede no Município de Belo Horizonte.



O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS,



O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei:



Art. 1deg. Fica declarada de utilidade pública a entidade Transplantes pela Vida em Minas Gerais - Transvida-MG -, com sede no Município de Belo Horizonte.



Art. 2deg. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.



Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, aos 21 de julho de 2009; 221º da Inconfidência Mineira e 188º da Independência do Brasil.



AÉCIO NEVES



Danilo de Castro



Renata Maria Paes de Vilhena



Transvida-MG busca benefício para criança com leucemina



O pequeno Ítalo, de 5 anos, luta contra a leucemia desde 2006. Internado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, ele passou recentemente por um transplante de medula óssea, mas precisa continuar com as sessões de quimioterapia e talvez ainda necessite passar por um novo transplante.

A mãe, Raílda Gonçalves Ferreira, não vive com o pai do menino, não trabalha e tem mais cinco filhos em Virginópolis (MG). Ela dorme no hospital há mais de dois meses, sentada numa cadeira ao lado do leito do paciente, sem recurso financeiro para comprar alimentação adequada. Desde julho do ano passado, ela solicitou a concessão de benefício assistencial ao Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) - um salário mínimo -, que foi indeferido.

Ciente das dificuldades enfrentadas pela família do Ítalo, a Transvida- Transplante pela vida em Minas Gerais, uma entidade sem fins lucrativos, entrou com o recurso no INSS em prol dos direitos da criança e aguarda retorno da instituição.

A Transvida-MG é uma entidade beneficente e de assistência social, localizada em Belo Horizonte. Integrada por pessoas receptoras de órgãos e tecidos, pré e pós transplantadas, seus familiares, profissionais de saúde e voluntários, a ONG tem por finalidade criar condições para a melhoria dos procedimentos que envolvem os transplantados de órgão e tecidos do corpo humano. E ainda: promove encontros entre pacientes, familiares e profissionais de saúde, além de proporcionar apoio material, medicamentos e hospedagem para pacientes e acompanhantes sem recursos financeiros.


FATOS E FOTOS



Uma experiência vivida de muito perto!
No dia 7de abril de 2007, cumpriu-se o momento mais feliz da minha vida: o renascimento. Foi na madrugada de 7 para 8 de abril de 2007, sábado de aleluia para Domingo de Páscoa, que Deus me devolveu a minha vida.. Começaram com grande sofrimento e culminaram com uma enorme alegria. Desde a espera angustiante e a corrida contra o tempo, até à maravilhosa notícia do aparecimento de um fígado compatível e do sucesso do transplante. As manifestações de carinho que recebi de familiares e amigos. E como foram importantes as palavras de amizade naqueles momentos!Não podia deixar de mencionar as pessoas que durante todo este período nos ajudaram, a ultrapassar da melhor maneira cada um dos obstáculos que foram surgindo na fase angustiante . Aos familiares do doador minha eterna gratidão.Hospital das Clinica e ao Ambulatorio Bias Fortes.A todas as pessoas com quem tive contacto durante as consultas e o internamento, não podiam deixar de expressar todo o meu agradecimento aos profissionais deste hospital, cujos nomes muitos deles desconheço, mas que sempre trataram com enorme carinho, atenção e, sobretudo, humanidade. Todos e cada um deles, à sua maneira .Desde as meninas da recepção, aos Médicos, enfermeiros e auxiliares ,copeiras e arrumadeiras , quer dos Cuidados Intensivos quer da Unidade de Cirurgia , de todos eles tenho a melhor impressão e a todos eles quero expressar a minha gratidão. Apesar de ainda ter de respeitar alguns cuidados faço uma vida praticamente normal. A comissão deste evento e ao MG Transplante expresso o meu profundo agradecimento. .Aos Pacientes da fila de espera.Tenha muita paciência, pois vocês são o paciente deste conceituado Hospital das clinicas - UFMG.
Obrigado!
Adolpho von Randow Neto
IX-Encontro de Pacientes Transplantados 2007
Data:22/setembro/2007
Local:Salão Nobre da Faculdade de Medicina- UFMG

VOLUNTARIOS


em costrução

-

PROJETO CASA VIDA


CASA DE PACIENTES DE TRANSPLANTES EM BELO HORIZONTE“CASA VIDA”
-X-
Coordenação: Márcia Eller M. Salviano - Enfermeira HC UFMG
Paula A. Braga Pereira - Assistente Social HC UFMG
.
IntroduçãoAspectos Históricos dos TransplantesAtos heróicos e iniciativas ousadas marcaram a história dos transplantes em todo o mundo. No ano de 348 d.C. há relato do implante de uma perna de um soldado mouro que acabara de falecer, realizado pelo clínico, São Cosme e o cirurgião, São Damião, em um paciente idoso cuja perna havia sido amputada. Estudos laboratoriais e experimentos em animais e humanos se seguiram desde então. O termo “transplante” foi usado pela primeira vez, em 1778, por John Hunter.No século XIX aconteceram as primeiras tentativas de enxertos de pele, ossos e córnea. Em 1902, na cidade de Viena foi realizado um implante de rim nos vasos do pescoço de um cão, e em 1906 foi transplantado um rim de porco no braço de um homem, com insuficiência renal crônica.Com o desenvolvimento de agulhas e fios mais delicados, para suturas vasculares, por Carrel e Guthrie, em 1910, os experimentos com o xeno-transplante foram impulsionados. O primeiro transplante de medula óssea aconteceu em 1939, realizado em um paciente exposto a sais de ouro, utilizando-se de doador ABO compatível, com insucesso.Em 1952 foram descobertos os Antígenos de Histocompatibilidade (HLA), que constituiu um grande avanço nos conhecimentos da Imunogenética.O primeiro transplante de pulmão foi realizado em 1963 por Andy, mas o paciente veio há falecer 18 dias depois. E o primeiro transplante cardíaco foi realizado por Barnard, em 1967. Até o início da década de 60 do século passado, persistiam grandes lacunas do conhecimento tais como, os “efeitos biológicos” (rejeição) e medicamentos que poderiam preveni-los e tratá-los. A primeira droga sintetizada para esta finalidade (imunossupressão) foi a Azatioprina, que utilizada principalmente nos pacientes de transplante renal, favoreceu um aumento considerável destes procedimentos. Porém, somente em 1978 quando foi desenvolvida a ciclosporina em um laboratório na Suíça; com aplicação clínica pelo professor Calne na Inglaterra, os resultados dos transplantes passaram a ser encorajadores. Os avanços das técnicas cirúrgicas, as pesquisas na área da farmacologia clínica, da imunogenética, o desenvolvimento da tecnologia de monitorização trans e pós-operatória, bem como os avanços na preservação de enxertos de qualidade constituem fatores responsáveis pelo sucesso dos transplantes, na década de 80 do século passado (DUARTE, M.M. de F.; SALVIANO, M.E.M. & GRESTA, M.M. 2004). E desde a Conference Consensus Development National Institutte of Health nos Estados Unidos, em 1983, os transplantes passaram a ser considerados opção terapêutica e curativa, para muitas doenças antes consideradas terminais, havendo então uma expansão desta atividade em todo o mundo. Hoje, com esta realidade favorável realiza-se com sucesso, transplantes de rim, de fígado, pâncreas e ilhotas pancreáticas, intestinos, coração, pulmão, medula óssea, córnea, ossos, músculo esqueléticos cutâneos, em centros de referência e excelência em vários países.Na América Latina, o primeiro transplante cardíaco foi realizado pelo Dr. Zerbini, no Hospital da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 1968. Na mesma Instituição, naquele mesmo ano aconteceram os transplantes de intestinos e de fígado. Em 1989, o Dr. Silvano Raia realiza também em São Paulo, o primeiro transplante de fígado intervivos do mundo, no ano em que a equipe de Cirurgia Torácica da Santa Casa de Porto Alegre faz o primeiro transplante de pulmão, no Brasil.Em Minas Gerais a atividade de transplante começou na década de 50 do século passado, com o Grupo da Oftalmologia realizando os de córnea, seguidos pelos renais em 1969, ambos no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC – UFMG). Segundo o Órgão oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO existem atualmente, equipes cadastradas no Sistema Nacional de Transplantes (SNT) em 21 cidades do estado realizando algum tipo de transplante. Conforme o registro no SNT (RBT Ano XIII – Janeiro/Junho 2007), somente na Grande Belo Horizonte são realizados transplantes de coração, pulmão, fígado, pâncreas, pâncreas-rim, rim, córnea e medula óssea. As principais instituições cadastradas para diferentes transplantes são: Hospital das Clínicas - UFMG, Instituto Biocor, no Hospital Felício Rocho, Mater Dei, Hospital São Francisco de Assis, Hospital Vera Cruz, Santa Casa de Misericórdia, Associação Evangélica Beneficente de Minas Gerais e Hospital Hilton Rocha além de outras clínicas de oftalmologia (córnea).O HC – UFMG é a uma das referências do SUS, na região sudeste e, portanto, recebe maior número de pacientes da Grande BH e do interior, bem como de outros estados do norte, nordeste e centro oeste do Brasil. Veja no Quadro um o ano de início dos programas de transplantes e número crescente de procedimentos realizados.Quadro 1 – Ano do Início dos Programas de Transplante e Nº. de Procedimentos Realizados no Hospital das Clínicas da UFMG – Belo Horizonte.Início do ProgramaTipo de TransplanteTotal de Procedimentos Realizados1942196919941995200220062006CórneaRimFígadoMedula ÓsseaPulmãoCoraçãoPâncreas-rim>12.00090247555006 2508Fonte: Censo hospitalar HC-UFMG2 - Problema/Justificativa2.1 - Perfil Clínico dos Pacientes de TransplanteEm geral, os pacientes de transplante sofrem de doenças agudas ou crônicas graves. As doenças de evolução aguda têm como característica a deterioração rápida de um órgão e ou disfunção tecidual comprometendo severamente as funções vitais, (como por exemplo, a hepatite fulminante e a aplasia medular), necessitando de um transplante urgente. Os portadores de doenças crônicas são indivíduos que têm falência de um órgão (insuficiência renal crônica); ou possuem um câncer localizado (o hepatocarcinoma e a leucemia, por exemplo) que causam repercussões sérias em outros órgãos ou sistemas do organismo.Ao terem uma indicação de transplante, o paciente e a família iniciam uma longa trajetória (com duração média de seis meses), cheia de particularidades e dificuldades, com situações limitantes relacionadas com o próprio Sistema Único de Saúde (SUS), para realização dos exames pré-transplante. Quando completado este protocolo, o paciente fica ativado na lista de espera, aguardando um doador – com morte encefálica ou o aparentando, a se “preparar” para o procedimento. Nos casos de transplante de medula óssea o período de hospitalização fica em torno de 30 a 40 dias e nos de órgãos sólidos por volta de 15 dias, se tudo correr bem.No entanto, este não é o fim do tratamento. Após a alta, os transplantados necessitam permanecer em Belo Horizonte para o acompanhamento ambulatorial, por 2 a 3 meses. São agendados exames laboratoriais, e consultas, inicialmente uma vez por semana, posteriormente a cada 15 dias e mensalmente, conforme a evolução de cada paciente.Este acompanhamento é de fundamental importância para a monitorização clínica e laboratorial do paciente, que, além da recuperação física de um grande e complexo procedimento, com os riscos de infecção e rejeição, ele deverá readaptar a vida sócio-familiar e laborativa, às questões emocionais e espirituais ligadas ä adaptação ä nova vida, aceitação do novo órgão de um doador anônimo.Sendo assim, este paciente possui uma complexa demanda de cuidados multiprofissionais. E em particular, no aspecto social.2.2 - Aspectos sócio-políticosA Constituição Federal, a Lei Orgânica da Saúde, a Portaria nº. 55 de 1999 da Secretaria de Assistência à Saúde (SAS) e a Resolução nº. 532 de 01/12/2000 do Ministério da Saúde garantem o Tratamento Fora do Domicílio (TDF). Esse benefício é concedido somente para pacientes em tratamento ambulatorial.A partir da descentralização e regionalização dos serviços de saúde ficou instituída a responsabilidade dos municípios de origem com as despesas referentes ao deslocamento do paciente e/ou acompanhante (ida e volta), alimentação, pernoite, inclusive para fora do Estado. Em casos especiais deverá haver indicação médica formal, devidamente documentada.No que se refere ao financiamento vale ressaltar que a cobertura dos pagamentos será possível através dos recursos do Teto Assistencial, observando a programação feita pelo gestor. Além disso, os procedimentos são processados e pagos pelo Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) do SUS.Entretanto, mesmo sendo esta uma garantia legal, nem todos os municípios têm condições de assumir sua responsabilidade perante as populações, ora porque não têm implantado o TDF, ora porque não dispõem de verba para custear as despesas do programa.No caso específico dos pacientes de transplante, que necessitam permanecer em Belo Horizonte por um período variável de 2 a 3 meses após a alta hospitalar, para o acompanhamento ambulatorial, grande parte dos municípios têm assumido as despesas referentes ao aluguel de imóvel. Mas, em casos de recusa da Secretaria de Saúde local, o paciente e a família se vêem obrigados a assumir esses gastos.E a grande dificuldade, que encontramos em nosso serviço, e que às vezes se torna um impedimento ao tratamento do paciente, é quando se trata de uma família com condições sócio-econômicas vulneráveis. A maioria dos pacientes atendidos no Hospital das Clínicas da UFMG é usuária do Sistema Único de Saúde. No caso específico do transplante, um número importante da clientela se encontra nessa situação, sem condições de assumir as despesas decorrentes da estadia em Belo Horizonte. Para exemplificar os custos desta permanência temporária na capital mineira, os valores de um aluguel variam entre R$500,00 a R$1000, 00, mensais. Além disso, há despesas diretas com alimentação, alguns medicamentos, transporte e pessoais, que se tornam inviáveis para as famílias de baixa renda.Atualmente, o Serviço Social tem se empenhado em sensibilizar as Prefeituras locais e as respectivas Secretarias de Saúde a assumirem suas responsabilidades legais com o TDF. Porém, conforme exposto anteriormente somos limitados pelas dificuldades de algumas delas em fazê-lo.2.3 - Experiência de outros Centros de Referência e Excelência em TransplanteOs primeiros centros de referência em transplante nos EUA, Europa e mais recentemente na América Latina e outros continentes começaram a se preocupar em atender esta demanda, de residência temporária, próximo aos hospitais onde os procedimentos eram realizados. Daí surgiu as Casas de Apoio a esta clientela.No Brasil, atualmente, está havendo um grande investimento do Ministério da Saúde nas instituições públicas que se adequaram para receber o credenciamento e realizar transplantes. Estes são considerados procedimentos de alta complexidade, mais onerosos, porém totalmente pagos pelo SUS (GARCIA, V. D. 2002). Segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), existe atualmente (2005) no Brasil 63.000 paciente em lista de espera por transplantes.Em vários centros de referência em assistência à saúde no Brasil, seja em capitais ou cidades interioranas, já existem, em pleno funcionamento, as casas de apoio ou moradia para pacientes de transplantes ou outras especialidades, tais como oncologia, portadores de HIV, crianças e adolescentes, etc. A exemplo de organizações dessa natureza, no Brasil citamos a “VIAVIDA”, cujo site é: http://www.viavida.org.br/ e o “RIMVIVER” e-mail: rimviver@brturbo.com.br, ambas localizadas na região Sul. Existe ainda a Casa de Apoio de Portadores de Hepatites – AMIPHEC, em Belo Horizonte e a Casa de Apoio aos portadores de Câncer de Pouso Alegre, no interior de Minas Gerais.2.4 – A TRANSVIDAEm 10/11/1999 foi criada uma associação de caráter não governamental e sem fins lucrativos, integrada por pessoas receptoras de órgãos e tecidos, pré e pós transplantados e seus familiares, profissionais de saúde e voluntários, a Transvida MG – Transplantes pela Vida em Minas Gerais , com Estatuto registrado sob o nº 105.508 no Livro A, em 11/09/2000 no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas de Belo Horizonte, e, conforme Art. 2º são suas finalidades:a) Criar condições para a melhoria dos procedimentos que envolvem os transplantes de órgãos e tecidos do corpo humano, promovendo encontros entre pacientes, familiares e profissionais de saúde;b) Proporcionar apoio material, medicamentos e hospedagem para pacientes e acompanhantes que necessitem;c) Buscar junto à sociedade e às instituições públicas e privadas recursos materiais financeiros;d) Criar grupo de apoio para atividades interativas sociais, lúdicas, lazer e auto ajuda;e) Buscar e circular informações das patologias inseridas nos transplantes de órgãos e tecidos, inclusive sobre as pesquisas nacionais e internacionais , esclarecendo e minimizando o preconceito da sociedade;f) Estimular a reflexão das teorias e práticas de transplantes de órgãos e tecidos para desenvolver atitudes conscientes das pessoas envolvidas direta e indiretamente; g) Procurar parcerias com outras organizações na realização dos eventos de campanhas educativas e preventivas sobre a prática do transplante, desmistificando e sensibilizando para a doação de órgãos e tecidos do corpo humano, inter-vivos ou cadáveres;h) Edição de material de comunicação impresso, sonoro visual e virtual, conforme a necessidade;i) Propor e reivindicar políticas públicas de saúde relacionadas aos transplantes e às patologias que os envolvem, inclusive no que diz respeito à garantia de acesso a outras especialidades médicas;j) Buscar informações junto aos órgãos governamentais de saúde sobre os procedimentos de transplantes de órgãos e tecidos, como o andamento da lista única estadual de captação de órgãos.Como foi demonstrado no Quadro 1, o número de transplantes em Minas Gerais tem aumentado a cada ano. A demanda de apoio social aos pacientes e familiares de menor poder aquisitivo, principalmente procedentes do interior e de outros estados brasileiros está cada vez maior. A equipe de saúde que assiste esta clientela vivencia o drama destes pacientes e familiares que não têm qualquer contato em Belo Horizonte; quer seja de amigos, família ou outra infra-estrutura de moradia, que possa abrigá-los neste período tão importante da vida deles – e literalmente não têm para onde ir.Desta forma, ao perceber a necessidade de uma moradia temporária para pacientes de transplantes, a referida associação decidiu então elaborar o presente projeto.3 - Objetivos3. 1. GeralCriar um local para moradia temporária de pacientes de transplante em Belo Horizonte.3.2 - Específicos:• Adquirir um imóvel;• Adequar o imóvel para o fim a que se destina;• Mobiliar e equipar o imóvel de acordo com a demanda.4 - Descrição do ImóvelO imóvel para atender ao objetivo fundamental do projeto deve preferencialmente, estar localizado na área hospitalar; uma vez que facilita e reduz os custos dos deslocamentos diários de pacientes e seus acompanhantes para hospitais, laboratórios e clínicas. Pacientes e familiares que utilizarão a Casa Vida são, obviamente, provenientes do interior e de outros estados, que desconhecem a capital mineira e em sua maioria são vulneráveis, sócio-economicamente.As instalações devem permitir hospedagem temporária, humanizada, com espaço mínimo de área externa ou interna livre para lazer e descanso dos pacientes. Também é fundamental que não tenha umidade, poeira ou mofo; que permita limpeza constante; livre de qualquer animal de estimação; por constituírem requisitos básicos no cuidado de pacientes pós transplantados, com as defesas imunológicas reduzidas. Deverá se adequar ao funcionamento a que se destina com rampas para acesso a cadeira de rodas, corrimão e circulação livre.Deverá ter capacidade para receber, inicialmente, cerca de 5 (cinco) pacientes e seus respectivos acompanhantes. Sendo assim, é necessário no mínimo 05 quartos e 03 banheiros sendo um para pacientes do sexo masculino, outro para os do sexo feminino e outro para acompanhantes, voluntários e funcionários da casa. Também deverá ter uma área privada, onde funcionará a administração do imóvel.A cozinha deve conter um fogão grande, geladeira, freezer e armários. Uma lavanderia equipada com máquina de lavar e secadora de roupas; além de tanques.O imóvel deverá possuir mobiliário próprio; eletrodomésticos; utensílios de cozinha; roupas de cama, mesa e banho, que permitam o funcionamento da casa.MANUTENÇÃOGastos fixos e permanentes:Contas de água, luz, telefone; material de limpeza e alimentos e devidos impostos.Calcula-se uma despesa mensal aproximada R$10.000,00 (dez mil reais)RECURSOS HUMANOSO gerenciamento do imóvel será feito por voluntários, associados da TRANSVIDA e inicialmente, um auxiliar administrativo contratado.A manutenção da limpeza, produção de alimentos e lavagem de roupas ficará ao cargo dos pacientes e acompanhantes.5 - Estratégias de Implantação/Manutenção5.1 – Divulgação ampla na mídia local;5.2 – Tramitação do projeto no Ministério Público buscando mobilização de verbas existentes para essa finalidade;5.3 – Contato com empresários que poderiam doar um imóvel;5.4 - Identificação de imóvel estatal ou municipal, que pode ser cedido para implantação do projeto, em regime de comodato;5.5 - Firmar convênios com Prefeituras do Interior do Estado, para manutenção da casa;5.6 – Estabelecer parcerias com o Ministério Público e o terceiro setor.6 - Orçamento da Implantação:ImóvelR$500.000,00Adequação e reformasR$ 70.000,00Mobiliário, eletrodomésticos, utensílios e roupasR$30.000,00TotalR$ 600.000,007. Cronograma das Atividades:ATIVIDADESPERÍODODefinição da equipe de coordenação do projetoMarço/2006Elaboração do projetoAbril/2006 a Março/2008Divulgação do projeto na grande mídiaAbril a Agosto/2008Obtenção do imóvelSetembro/2008Adequação do imóvelOutubro a Dezembro/2008Inauguração da CasaDezembro/2008.
Referências
Bibliográficas:REGISTRO BRASILEIRO DE TRANSPLANTES. Órgão Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Ano XIII, n. 1, 62 p., Jan./Jul. 2007. Jurisdição.PEREIRA, W. A. História dos transplantes. In: ________. Manual de transplantes de órgãos e tecidos. 3. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2004. cap. 1, p. 1-8.GARCIA, V. D. História dos Transplantes no Brasil. 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2005. ELSEN, I. Cuidado familiar: uma proposta inicial de sistematização conceitual. In: ________ et al. (Org.) O viver em família e sua interface com a saúde e a doença. Maringá: EDUEM, 2002. cap. 1, p. 11-14.DUARTE, M. M. F.; SALVIANO, M. E. M.; GRESTA, M. M. Assistência de enfermagem. In: PEREIRA, W. A. Manual de Transplantes de Órgãos e Tecidos. 3. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2004. cap. 24, p. 592-624.CLAVIEN, P.; KILLENBERG, P. G. Medical care of the liver transplantation patient. Ontario: Blackwell Science, 1997. p. 137-146.CASTRO, E. E. C.; FONSECA, M. A. A.; CASTRO, J. O. Dimensões psicológicas e psiquiátricas. In: PEREIRA, W. A. Manual de transplantes de órgãos e tecidos. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan/Medsi, 2004. cap. 23, p. 565-591.________. Lei n° 9.434 de 4 de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 fev. 1997a. Seção 1. p. 7. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2006. 9.